Controle de Morcegos

Medidas de controle e manejo

A presença de morcegos em edificações, principalmente de insetívoros, pode ocasionar acúmulo de fezes, causando odores desagradáveis e característicos, além de poder causar doenças como as citadas acima. As ações recomendadas para auxiliar na solução de problemas causados por morcegos em áreas urbanas envolvem um monitoramento constante e adequação das edificações para evitar os problemas decorrentes da instalação de colônias. A seguir, são sugeridas algumas medidas que podem auxiliar no controle e manejo de morcegos, aplicáveis nas diversas situações encontradas.

Vedação de aberturas

Quando não existirem morcegos no telhado, recomenda-se vedar todas as juntas de dilatação de prédios, espaços existentes entre telhas e parede, cumeeiras, pontos de luz, chaminés, bem como qualquer abertura no telhado que possa permitir a instalação de colônias. O revestimento de forros em alvenaria e colocação de vidros ou telas em portas nos porões, também é muito importante para evitar a queda de fezes para o interior das escolas. Segue abaixo orientações de como proceder de acordo com cada caso:

  • Telhado – não permita vãos entre as telhas e as paredes com largura superior a 1cm, vedando todas as aberturas com cimento, massa de calafetação ou outro material de vedação; prenda todas as telhas firmemente. No caso de telhas de amianto onduladas, deve-se fechar cuidadosamente os vãos com passarinheiras ou telas milimétricas evitando a entrada de morcegos para dentro do forro do telhado.
  • Porão, Cisterna e Casa de Máquinas – providencie porta. Se necessário manter ventilação empregue tela de arame com malha inferior a 1,0 cm.
  • Vão entre o condicionador de ar e a parede – feche com alvenaria ou madeira pelo lado externo da construção.
  • Pontos de luz ou chaminés de aquecedores que se comunicam com o sótão ou forro – isole as arestas com material resistente, como placas de aço.
  • Forro ou sótão – prefira utilizar lajes de cimento ao revestimento de madeira para evitar a queda de fezes, restos e animais no interior da escola.

 

Limpeza dos ambientes após a remoção

Após a remoção das colônias é necessário realizar a limpeza do local. Ao limpar locais com acúmulo de fezes de morcegos é preciso tomar certos cuidados para evitar a contaminação:

  • Proteger o nariz e a boca com pano úmido;
  • Utilizar luvas de couro ou de borracha;
  • Umedecer bem as fezes com solução desinfetante antes de removêlas, para evitar inalação de poeira contaminada;
  • Embalar bem a sujeira removida, para evitar dispersão dos agentes patogênicos.

 

Eles são animais silvestres (e diferentemente dos seu cachorro ou gatinho, não são vacinados), por isso podem transmitir doenças como a raiva e a histoplasmose.

 

LEI N° 5.197, DE 3 DE JANEIRO DE 1967

Dispõe sobre a proteção à fauna e dá outras providências

 Art. 1º. Os animais de quaisquer espécies, em qualquer fase do seu desenvolvimento e que vivem naturalmente fora do cativeiro, constituindo a fauna silvestre, bem como seus ninhos, abrigos e criadouros naturais são propriedades do Estado, sendo proibida a sua utilização, perseguição, destruição, caça ou apanha.

Etapas do controle:

  1. Remoção dos pombos, ninhos, filhotes e ovos.
  2. Limpeza e Higienização
  3. Pulverização e Desinfecção contra piolhos e bactérias.
  4. Instalação das Barreiras Físicas indicadas pelo técnico.

 

Consulte-nos os Valores!!